Traga um pouco de amor, um pouco de cigarros.

Esteja aqui quando eu acordar, esteja quando eu não me importar, esteja aqui quando eu te chamar, esteja aqui meu bem a vida inteira.


Entre em minha casa sem aviso prévio, entre em minha vida sem feridas ou dores, entre, fique a vontade, fique mais um pouco, para nunca mais querer partir.

Traga-me café na cama, traga cigarros, um pouco de amor, um pouco de beijo, um pouco de você, mas só um pouco, para que o tudo de você seja meu a vida inteira.

Venha com pressa, sem jeito, sem regras, mas venha. Diga que me ama, diga sempre, até eu não me cansar de ouvir.

Esconda seus defeitos ao nascer do sol, e os mostre sempre quando a lua voltar, se cubra de baixo do meu lençol, se cubra por debaixo de mim, me cubra, me aqueça, se esqueça do mundo lá fora, se esqueça da hora, se atrase só para não se esquecer de mim.

1 Rabiscos de Outros:

Fernanda Mendonça 11:31 PM  

Venha de qualquer forma, de qualquer jeito, de qualquer maneira, não é mesmo? Muito bom viu? Gostei bastante, bem intenso seu texto.

http://caotizando.blogspot.com/

Postar um comentário

Ariela Venâncio. Tecnologia do Blogger.

Agora, Aqui !

--------------

"Publicar um texto é um jeito educado de dizer “me empresta seu peito porque a dor não está cabendo só no meu.”

(Tati Bernardi)



De encontro.

Os Viciosos do Circulo.

- Siga-me por email