- No mato, no chão.

O cheiro no mato, no chão sem casaco
Rascunhos do teu nome em todas as paredes
Restos, vestígios, conselhos a bera mar
Visualizar de longe, o vulto do teu beijo
Ai ai, como é sem graça, sem você aqui.


Sobre tudo passei muito tempo
Pra esquecer, o cheiro, as vozes as canções.
Olhares de ressaca, cinzeiros vazios
Vazia
Dentro de mim sou eu mesma
Fora de mim,
A um ser completamente errado.


Essas sujeira em minhas roupas
Quase sempre, são dos seus molhos de tomate
Horríveis.


Só precisava ficar um pouco só
Só com você mesma,
A pessoa dentro de mim
E a pessoa dentro de você
Só assim.


O meu eu, o seu eu, o nosso eu.
Ai ai, como é lindo esse seu sorriso bera mar.

Fora de órbita

Vou ver a noite cinza daqui do quarto
E fumar um pouco
fora de órbita.

Essa noite só queria dormi
15 minutos
Acordo, de novo e de novo
Não a sonhos que me faça ter essa vontade
Morbita de ficar a bela noite apagada.

A luz acaba, não preciso dela mesmo.
Acendo aquela velha vela pela metade,
Nessas horas nunca acho o que fazer
A não ser recitar poetas em meu quarto.
Admiro belas palavras, admiro belas moças também
E chove como se fosse acabar o mundo.
Me sentiria bem se acabasse, ou não.

Nunca pensei como fosse, nem quero pensar.
Ainda tenho tempo de ir no mercadinho da esquina
Pra comprar novas velas, e comprar meus cigarros
Só espero a chuva passar, a luz não me importa a hora que vá voltar.

Essa noite só queria ficar em casa,
Quieta, sossegada em algum canto da sala.
Comer minha comida de soja vegetariana,
E beber um pouco se não for pedir de mais
Hoje não tem papo, hoje não tem Carnaval.

Se me ligarem não estou, nunca estive.
Se me chamarem, ah! querida deixa chamar.


Não estou habituada, ao certo.

Não importa mais o motivo de ser bom ou mal.
Não importa muito a questão de ser tão normal
Meu fuso horário não compreendem a hora da partida
Amanheceu é hora de dormi.

Não tenho tempo,
Meus vícios estão espalhados pelo chão
Gotas de vinho, pitocos de cigarro,
Fotos de amores, lembrança inacabável,
Violão do lado direito da cama, ao som da madrugada.
Meu fuso horário não esta habituado,
A esse mundo tão bem organizado.

Outrora
Outrora eu vivia sem preocupação.
Não estou habituada.


Diário de uma amante.

''Me parece uma grande inalação de hipocrisia.
 Me vem sem vinho e sem cigarros.
Ainda me pede pra dormi do seu lado
As únicas 2 horas que consigo dormi.

Fiquei meio enjoada confesso,
com aquele papo de boa moça.
Sem contar no vinho que tive
que comprar as 01:00 da manhã.
Tentei a todo custo tirar os 22 reias
de vinho da minha garganta, mais
não teve jeito, o vinho ficou ali mesmo
por toda a madrugada, até ele
resolver sair sem dizer e melecar todo
o lençol branco do quarto da moça desconhecida.

Me contive para não fumar o resto do seu cigarro,
naquela mesma hora, pois os meus haviam acabado
Acabei me esquecendo de agradecer pela noite, obrigada.
O ar estava meio poluído com tantas besteiras,
As 2 horas de sono não foram suficientes,
para aguentar um dia meio militar.
Acho correto esse regime, melhor agora, pior depois.

Havíamos marcado,mais acabei nem indo.
Confesso que estava cansada pela noite anterior
Ando meio sem tempo, com essas noites vastas de pecado
E tenho que dizer, temos uma otima sintonia na cama
E até mesmo fora dela, a inalação de fumaça entre nós duas.
Acho que ela chegou, e dessa vez com vinho e cigarros.
volto logo.''

Vila dos sonhadores

''Vá embora. Estou tentando morrer. Estou farto do mundo e o mundo farto de mim.

Agora só há lógica e razão, ciência e progresso...
... Leis da hidráulica. Leis sociodinâmicas.
Leis disso e daquilo outro.
Não há lugar para ciclopes de três pernas... dos mares do sul.

Nem lugar para magnólias... e mares de vinho.
E nem para mim.
E estou muito cansado...
Adeus."


 
- Barão de Munchausen
 

Intenção, varias delas.


Sem qualquer intenção.
Apenas seu corpo em minha mãos
Apenas o suor por sobre o corpo
Apenas você e eu sem qualquer intenção.
Apenas amores, pecado,
Apenas um pouco de vida.
Meus olhos não mudam,
Os viu a noite, os viu de manhã,
Os vê agora, os vê mais tarde
Sem qualquer intenção me perco com você
Me perco entre você, me perco por você.
Vamos começar, recomeçar, terminar sem qualquer intenção
Vamos mentir, amar, viajar, vamos pro quarto a noite
A metade inteira do dia, vamos amar sem qualquer intenção
Com intenção, com tesão, com tensão vamos amar. aiaiai


Meu mal, seu mal.

Sem nada, de mais pra mim

O coração desconhece, amortece
Metade aguenta, metade se enfrenta
Não tem distancia, só tem consequência.
Seu beijo ao meu, meu corpo longe do seu.
Uma força enfraquece, todas, todos, apenas um.
Pés no chão, sol, chuva, ar, vento,
Mais do que eu possa esperar, não enxergo.
Seu beijo ao meu, meu corpo longe do seu
Metade inteira chora, apenas chora 
Não tem começo, não tem fim.
Meu pecado longe do teu, seu corpo fora do meu
Vem curar teu mal, vem curar meu mal
Sem nada, de mais pro meu coração.



*


A falta daquele amor livre, entre tantos.
entre tantos a falta daquele amor.

*


Aquele peso em mim - meu coração.



Fernando pessoa *

Terá

Outros terão
encontros, paz, pecados, quem sabe verdade.
Alguns terão
amigos, frieza, variedade, sinceridade.
Muitos terão
vários amores, ilusão, beijos, veneno, noites.
Poucos terão
coragem, alegria, talvez amor de verdade.
Uma terá
verdade, alguma coisa quente, amor, pecado,falta
estar comigo.

caleidoscópio


''Não é preciso apagar a luz
Eu fecho os olhos e tudo vem
Num Caleidoscópio sem lógica
Eu quase posso ouvir a tua voz
Eu sinto a tua mão a me guiar
Pela noite a caminho de casa
Quem vai pagar as contas

Desse amor pagão te dar a mão
Me trazer à tona pra respirar
Vai chamar meu nome ou te escutar
Me pedindo pra apagar a luz

Amanheceu é hora de dormir
Nesse nosso relógio sem órbita.''
Os paralamas do sucesso*

Mil cores

Se ela quiser trago flores,
invento mil cores
pinto o céu de vermelho.
Se ela quiser eu mudo meu
nome pro que ela achar melhor.
Meu amor eu sou
sua, faça o que quiser.
Meu amor vai ser minha,
vai ser minha mulher.

*


Entre tantos loucos e livres
existe um que é doce e que me falta.



Alice Ruiz *

Necessitadas marcadas


Necessito do ar, necessito do tempo
Necessito de qualquer coisa que me ponha
em movimento, qualquer coisa vulgar,
insano ou desprezível, necessito do amor, algo bem imprevisível.
Necessito de Paz, necessito de muita paz
Necessito de algo ordinário, que eu não tenha visto
algo que saia fora do meu alcance, que me tire do chão
Necessito da liberdade de toda ela.
Necessito de sorrisos, mesmo confusos ou complicados.
Necessito de bares, cigarros, tequilas varias delas, pra desabafar
das dores e dos amores com alguém desconhecido.
Necessito de calma, necessito de vento.
Necessito da noite, dos dias de chuva, do céu nublado de alguém
que não me faça mal.




Ariela Venâncio. Tecnologia do Blogger.

Agora, Aqui !

--------------

"Publicar um texto é um jeito educado de dizer “me empresta seu peito porque a dor não está cabendo só no meu.”

(Tati Bernardi)



De encontro.

Os Viciosos do Circulo.

- Siga-me por email