Quero curvas, soltas!

Eu preciso sair dessa linha reta que chamo de vida.
Quero curvas, soltas, leves e alguns buracos para serem preenchidos
Não consigo mais me ver nessa rota, eu preciso descer e construir um novo caminho.
Agora eu quero agitar as pernas, viajar, nem que seja aqui mesmo pela calçada.
Eu tento me percorrer, me alcançar um pouco, mas estou apenas me afastando.
Estou parada em plena partida, enquanto todos estão indo, eu permaneço.
É incomodo como tudo que me pertence acaba nunca sendo meu.
Como minha própria vida, parece estar no domínio dos outros.
Quando meu caminho sempre leva a alguém.
Não consigo mais me ver nessa rota
De ter tantas caminhos a percorrer, de ter tantas chances de me perder.
Mas de não ter a habilidade.

- Ouvindo: (Pearl Jam)

Preciso aprender a sofrer, para não te deixar partir.


Quero uma outra posição para essa dor.
Mesmo que me tire para fora alguma parte do corpo
Mesmo que eu perca as mãos para isso.
Quero me inventar, de uma forma da qual ninguém me conheça.
Ninguém me encontre.
Eu quero apenas despistar essa forma de dor.
Essa forma egoísta, tão solida e vazia.
Quero sofrer por alguém, quero mesmo chorar de amor.
Quero sentir de verdade um não, uma falta, alguma desilusão.
Eu quero aprender a sofrer de outra forma, uma forma que me curve.
Que me jogue no chão, que manipule  meus pés.
Me levando sempre a uma única direção: Você.
Talvez ninguém saiba como doí sofrer e estar habituada a esse sofrer.
Como me arranca os olhos secos sem lágrimas.
Eu preciso aprender a sofrer, tenho que sentir cada não.
Tenho que perder as pernas, as mãos, tenho que machucar um pouco o meu coração.
Para sempre quando alguém partir eu pare de achar normal deixa-lo ir.
Preciso sentir todas essas ausências, para aprender que dependo das pessoas.
Para não deixar ninguém ir com odeio de mim.


- Ouvindo: (Nirvana)

Uma vida em cima de outras três

Não nasci para sofrer calada, eu preciso de alguém que escute todo esse pranto.
Que me coloque no colo, que me diga estar tudo bem, mesmo que seja o fim.
Eu quero alguém que saiba voar, que me leve junto para cair no mar.
Uma pessoa realmente livre, que não se importe com marcações, horarios, confuções.
Que viva segunda-feira com gosto de carnaval.
Eu quero alguém que saiba ouvir, e tenha algo novo a me dizer.
Tenho tantos pés para caminhar, tantas vozes para escutar.
Tenho uma vida em cima de outras três.
Não nasci para sofrer sozinha eu preciso dividi-lá
E aliviar o peso do coração.
Preciso de um outro para conhecer algo sem restrição.
Preciso de alguém que se jogue sem tornozeleiras ou proteção.

- Ouvindo: (Radiohead)

Cinco!

Ele era o moço mais lindo daquele lugar.
Tinha o sorriso mais lindo daquele lugar.
Gostava das coisas mais lindas daquele lugar.
Tinha os grandes olhos mais lindo daquele lugar.
Sabia mentir sorrindo sem me magoar.
Ele era o moço mais lindo, mas o moço agora quer me ver chorar.

---

(Peanuts)
Apaixone-te antes que seja tarde.

*

''Quero te compreender e te carregar no colo, mesmo não sendo preciso.''

Não a culpado.

Sempre quando vejo que algo bonito vai me acontecer
Tropeço, dai pra frente tudo vira caos. Eu gosto do caos.
Eu me cego, me torno de novo uma estúpida.
Mesmo não querendo fazer parte dessa confusão, mas se de certo eu sou a confusão.
E quando percebo estou só, de novo, de novo, de novo.
Nunca me importei em perder, perder sempre é fácil.
É mais cómodo, mais leve. Ganhar torna tudo muito dificil.
Eu sei, estou atolada, mas devo confessar que nada me é pior.
Eu me vejo, olho ao redor e estou eu só com meus cigarros.
Mas não culpo ninguém, as pessoas não entendem.
Elas ainda não percebem que sou assim, por sentir de mais.
Por sentir da primeira gota a ultima. Por sintir o não, por sentir essa terrivél formigação.
Elas não compreendem, por que compreender torna tudo mais difícil.
Mas eu não as culpo.


- Ouvindo: (Matanza)

*

Pode ficar quieto em silêncio.
Eu não me importo.
Eu gosto dessa sua decisão, eu gosto dessa forma de me odiar.
Prefiro todo esse rancor, essa raiva, essa ausência.
Eu prefiro que você ainda sinta, sinta qualquer coisa.
Mesmo que seja uma ponta de um fim, eu prefiro assim.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                           

Embriago-me.

A lucidez me torna frágil.
Embriago-me. Me sinto forte!
Me desculpe mas só assim conseguirei permanecer.
Não me obrigue a aceitar todo esses caos sem nenhum ponto de escape.
Preciso me abastecer para continuar a caminhada.
Mesmo que pra isso eu me perca de mim.
Mesmo que pra isso eu me torne tudo o que não sou.
A lucidez me doí, como um amor perdido.


- Ouvindo: (Radiohead)

Me perder de qualquer sentimento.

Agora me perder não é mais vontade, é uma sobrevivência.
Tenho que procurar um lugar calmo, levar meu cigarros, algum vinho.
Permanecer ali, até sentir que nada mais me interessa.
Até sentir que conseguirei te olhar e nada sentir.
Tenho que me perder, da raiva, do amor, da falta.
Por pura sobrevivência.
Não por amor a você.

- Ouvindo: (Radiohead, de novo rs)

Não sinto.

- Não me impeça, não me impeça de voltar atrás.
Devo, antes que você se torne invisível.
Depois disso, não terei olhos para você.
Não me impeça, de aceitar suas desculpas.
Sinto que estou no fim e você esta morrendo.
Eu não sinto muito por isso. Por te matar dentro de mim.


- Ouvindo: (Radiohead)

E não foi por impulso.

Deve-se fazer tudo aquilo que se quer, eu morreria se impedisse-me disso.
Porque só somos nós mesmos em momentos de impulso.
Os outros momentos somos tudo, menos tudo o que somos.

- Ouvindo: ( Radiohead)

Devemos permanecer.

Todos nós querendo transparecer nos poros alguma loucura.
Mas não meu querido a loucura já me tem nós braços.
Sua maldita falta, não me afetou.
O que machuca é a falta de compaixão.
E nós todos loucos, perdendo realidade pelos olhos
Devemos nós manter afastados, de nós mesmos.
Devemos parar de bancar os fortes. Não somos.
Devo consumir outra vida, devo devolver-me o tempo que perdi.
Devo parar de malícia, de existir.
Me doí, me doí um pouco essa loucura.
Todos nós querendo apenas alguma fuga.
Mas meu querido a loucura ela não te liberta, ela te mata.


Ouvindo: (Radiohead)

Garoto Tanto Faz.


Garoto evite.
Não imagine coisas, nada do que digo é garantido.
E nem tudo o que escrevo é o que eu sinto. Nada de desespero.
Foi um desencontro, nada de obsessão. Uma pequena confusão.
Garoto evite.
Não me empurre pela escada antes de eu me preparar para a queda.
Tenha um pré-aviso para a sua mudança de humor, que horror.
Foi só uma graça, uma brincadeira de merda.
O jogo não era para terminar assim, ele nem havia começado.
Estamos de lado, você seguia o mesmo ritmo.
Era um jogo, nada sério.
Mas algo ocorreu, - sem vitimas- e não foi da noite para o dia.
Você teve uma mudança de horas. Que feio isso!
Garoto eu ainda não havia lhe explicado que gosto de jogos.
Sim! Gosto de brincar de sentimentos é o mesmo de pique-pega.
Eu não te peguei, foi algo como pique vai à merda.
Mas confesso foi tudo muito engraçado, alguns copos a mais de álcool.
E eu me sentia no direito de te tirar o sossego, inutilmente brincando.
Só havia esquecido se de mencionar, que o meu jogo lhe incomodava e que não queria jogar, nem se sentar do meu lado apenas para observar, espectador.
Eu pouco percebia, nem me importava o que poderia aparentar.
Essa minha nova mania de te elogiar. Mas garoto não havia nada de mais.
Eu apenas havia achado um rapaz que lia algo além de um simples cartaz.
Repito e afirmo, foi só uma brincadeira, sem perdas e não pretendo repetir.
Nunca se tem a mesma graça ainda mais quando sou eu a culpada por pensar que tudo é diversão.
Não se importe tanto, eu não me importo.
Importo-me mesmo é com a gravidade dos meus sentimentos.
Que nunca é grave, o engraçado é que sempre acaba com algo do tipo:
- Não precisava ser assim.
Mas foi assim, você virou camaleão, e eu fiz confusão.
Evite garoto, eu sou sempre assim.
Meio maluca às vezes estúpida. Mas era algo como amizade. Tanto faz.
E repito, não passava de uma brincadeira, meio traiçoeira.
Mas não tinha nenhuma má intenção, nem ponto de exclamação.
Foi apenas uma diversão.
Mas confesso não estava preparada para queda nem para o seu empurrão.

- Ouvindo: (Radiohead)

Me entrego.

Eu me entrego, eu me entrego ao frio a esse vazio
A essa paixão estúpida e repentina.
Me entrego a dor, ao fim, me entrego a lucidez.
A um novo começo, ao tempo, me entrego sutil-mente em seus braços.
Eu me entrego a morte, ao câncer, a embriagues.
Me entrego sem qualquer restrição a liberdade, lhe dando meu coração.
A todo esse surto, esses dias, essas ventanias.
Ao sacrifício da perda, ao egoísmo, a qualquer rejeição.
Me entrego, lhe entrego meu corpo, minha alma, minha solidão.
Me entrego, me entrego a você.
Mas você não quer se entregar, nem me dar seu coração.


- Ouvindo: (Incubus)

Senso do Ridículo.


Eu não estava bêbeda, mas havia bebido um pouco naquela noite.
Cheguei em casa muito sorridente, tirei toda a roupa e permanece na cama até o sono me vim.
Com alguns minutos passados eu começava a ficar histérica
Sempre tive crises terríveis de insônia.
Acabei pegando o celular e ligando para alguns amigos, todos deviam estar dormindo
Ninguém havia me atendido, eu estava furiosa pela falta de ambição noturna das pessoas.
Continuei ligando, tentando achar alguma alma perdida naquela noite. Nada!
Coloquei alguma música para tocar, esvaziei a mente.
Me senti uma ordinária incomodando as pessoas aquela hora da noite.
Mas que merda, eu não me importava, sim eu pouco me fodia para os outros.
Eu devia estar bêbeda de tanta lucidez entalada nos poros.
Não me dou bem com rejeições, e sempre que recebo um não me sinto desprezada.
Até mesmo quando não me chamam pelo nome eu me sinto uma merda.
Eu devia estar Bêbeda.
Tentei naquela madrugada ainda ler alguns livros, mas as vistas embaçarão
Eu me sentia uma jovem ao fim da vida, parecia que eu carregava o peso de um câncer.
Acabei dormindo por cima dos livros com meu gato aos meus pés e uma falta enorme de senso do ridículo.
Hoje tive que levantar cedo para ir trabalhar, eu estava de ressaca moral.
Peguei meu celular e fui ver os numero discados na noite passada.
Que merda! Eu devia estar bêbeda.
Se precisa de resistência para viver assim, sem nenhum senso do ridículo.


- Ouvindo: (Cássia Eller)

Eu gostaria de uma caverna.

Eu preciso de uma fuga.
Preciso achar um espaço para pensar.
Me sinto uma estúpida, que consome mais cigarros do que pão, amor.
Quero ficar sozinha, não quero dividir minha bebida com ninguém.
O limite me preenche um vago vazio de liberdade.
A liberdade que tantas vezes chega a sufocar.
Merda, os dias são terríveis, quentes e solitários.
Eu gostaria de uma caverna, a onde não existisse restrição
Ou ideologias, deuses, manias, vicio, a onde existisse apenas a presença.
Preciso me mandar daqui, surrar meus sapatos, gostar do espaço
Preciso me embriagar, amar, depois permanecer.
Quero um lugar livre, a onde eu chegue com minha mochila azul
Meus cigarros, minha falta de rotina, meus crimes, meu abandono, minhas crises.
Não importa a onde, pode ser qualquer lugar.
Eu preciso de uma fuga, até mesmo uma pulga é mais livre e mais sagas.
Eu preciso de uma fuga, pulga, pula, eu ser uma pulga.
Merda! É muita paranóia para um único dia.


- Ouvindo: (Oasis)

Cartas que eu não enviei.

Querida Ana...
Estou de novo te escrevendo para afogar algumas dores pendentes.
As pessoas não sabem amar, elas não tem a menor noção do que isso venha a ser.
Elas se confundem, se perdem, elas se iludem para não enxergar a verdade.
A verdade doí, eu sei, mas minha querida nem tudo é rosas, nem tudo é lindo.
A dor faz bem as vezes, e quase sempre ela nós ensina algo.
O mundo vive ao redor de sonhos, eles acreditam na felicidade plena.
Mas isso não existe. Que bom que não existe!
Porque as vezes é bom, uma queda, uma briga, uma confusão, um choro, uma angustia.
Nem tudo que é mal, tenha a tendência de fazer mal.
As vezes eu me pego pensando, a vida é uma merda, mas eu gosto dela assim.
As pessoas não sabem perder realidade, elas querem uma vida tranqüila.
Elas se trancam por uma vida plena e gananciosa.
E o amor eu te pergunto, a onde existe em meio a tanta hipocrisia?
Mas ele não existe, ele é furto de um coração solitário.
Porque sinto que os verdadeiros amantes são os que vivem sozinhos.
As pessoas não sabem como amar, elas procuram achar no outro o que elas não são.
E minha querida esses não amam, esses nem sabem o que seria amar.

Beijos!

De sua Arie.

Perca Peso.

Esqueça um pouco a realidade, para se fazer esquecer o mundo.
Gaste tempo, com qualquer coisa; quadrinhos, crimes, roubos, historias, vagabundos.
Fique e espere, espere até a ônibus passar, até chegar a hora de voltar
Depois volte e fique mais, só vá quando sentir que é hora de partir.
Coma, mas como só o indispensável, o resto da refeição sinta o gosto
Beba, beba até entrar nos poros alguma diversão.
Venha e quebre tudo, grite, xingue, até chore.
Mas venha e fique!
Consuma amor, consuma paz, consuma diversão, gaste tédio, tempo e dinheiro.
Sente-se ao cair do dia, fique em silêncio, aprecie um bom café, um bom cigarro
Aprecie uma boa companhia para depois não se sentir solitário.
Regresso sempre quando o dia partir, para que em sonhos enfim algo irreal possa existir.
Engane sempre que estiver com medo, mas engane os outros nunca a si mesmo.
Rasgue todas as cortinas, deixe o sol entrar, sinta o calor, sinta, sinta, sinta.
Minta, mas minta apenas quando não se sentir no direito de falar a verdade.
Invente para não morrer com tanta realidade.


- Ouvindo: (Oasis)

Dias Inexplorados.

Meus surtos andam piores, a ponto da casa toda ser trancada
E eu me esconder, encolhida, com medo da existência.
Essa loucura me arranca os olhos, me embriagada em meio a tanta lucidez
Eu tenho medo, medo de morrer entalada com tanta verdade
Eu não quero viver trancada, não quero ser louca.
Mas sinto que esse é o meu único refugio.
Tem dias que tudo isso me some, nesses dias inexplorados
Eu sinto dor, mas não se engane não falo de pontadas
Falo aqui de perfurações, de cicatrizes, de algo que vem da mais profunda angústia.
Prefiro a loucura a uma vida de tristeza.

Eu não quero estar sã, quando você partir.
Não quero estar bem, quero realmente sentir essa perda.
Quero sentir todas essas perdas, quero que tudo caia sobre mim.
Por que só assim, eu saberia que estou viva, que algo me correi
Eu não quero permanecer no vazio, quero ter algo a oferecer
Mesmo que isso me custe a existência, a lucidez e a coerência.

Por que não a mal em ser louco, a loucura no momento é minha aceitação.


- Ouvindo: (Radiohead)

Cartas que eu não enviei.

Querida Ana...

Sinto sua falta, as vezes esse é o único sentimento que me toma.
As coisas andam turbulentas por aqui, eu me perco sempre quando me encontro.
E você sabe bem que eu odeio a satisfação, a satisfação de saber quem eu sou.
E sim, eu estou atolada no meu mundo, e não sei como voltar a me perder.
Não encontro uma forma de me enlouquecer sem me machucar.
Uma forma de me apaixonar sem perdas ou rejeições.
E penso também que isso acabe, por que eu gosto de um fim.
Ah! Se você  soubesse a quanto tempo convivo com a solidão
Não que isso me faça mal, mas aos domingos eu sinto falta de um colo.
Andei buscando, mas não passaram de fins de semana.
Acabaram antes mesmo de se pensar em um fim, e cá estou sozinha de novo.

Você as vezes me percorre, sempre quando estou na varanda a noite, me vem você a mente.
Sinto as vezes que é preciso não existir para poder ao menos buscar algum sentimento real.
O pior de tudo é que estou pressa, mas não quero uma liberdade agora
Ela seria em vão, eu não saberia o que fazer com ela, eu não saberia nem conviver livre.
A liberdade me empurraria para um penhasco e eu me jogaria sem medo.
Quero ficar um pouco com os pés no chão, sem muita arrogância, ou pretensão.
Sinto que eu só queria alguém para amar no domingo, alguém com toque
Com som, com alma, verdade, alguém que exista mais que procure sempre se perder.
Não sei, eu gosto dessa confusão. Mas me sinto meio louca.
E a loucura me torna míope, e cega morrei sufocada por tanta liberdade.

Sinto sua falta.

De: Arie.

*


A perda às vezes me faz bem
Assim aprendo a não depender de ninguém.
Tchau você! Até outra paixão.

*

Sinto-me mole, fraca, como se me carregassem para todos os cantos.

Mostrando-me o mundo, a espera da minha morte (...)

Zero.


Era domingo, ela saiu de casa depois dos gritos e absurdos escutados.
Comprou alguns cigarros, pegou um ônibus, e se deslocou até o centro.
Sentou-se em um lugar escuro e quieto, apenas para sentir o vento.
Mastigou cada cigarro com muita calma, pensava em todo o ocorrido.
Acabou chorando, extraindo a dor. Com vergonha de alguém à ver foi para mais longe.
Sentada sozinha, pode realmente sentir sua dor, um grande vazio.
Ela se permitia a tudo, mas naquela noite, não era uma pessoa livre.
Nem queria ser, queria apenas acabar seus cigarros e voltar para casa.
As horas iam passando, e ela continuava a pensar, matutando cada momento.
Pensava na sua arrogância, no seu constante egoísmo, e na sua fragilidade míope
Que se encarregava de todo o resto.
Chorou, apenas para esvaziar um pouco a garganta, que estava entalada de sentimentos
Mas ela mesmo sabia, sua paixões acabavam muito cedo, quase precoces
Era fácil se apaixonar, mas para ela o difícil era manter a paixão.
E naquele momento se sentia rejeitada, mesmo sabendo que ele não passava de um fim de semana.
Mas ela gostava de pensar que não era tão fria assim, que as vezes se apegava, isso a fazia bem.
Mas nunca ouve retorno, as vezes pensava que seria sempre assim, e sempre foi.
Com o tempo ela ia se acalmando, ia acabando com os cigarros, esquecendo um pouco a dor.
Tudo a atormentava; os amigos, a família, aquela paixão repentina, aqueles surto, a falta de café.
Ela nunca gostou da calma, da harmonia, da euforia, nem mesmo da presença.
Mas naquele momento, gostaria de um saco de sentimentos bons.
Por que o que era mal, a consumia.
Acabando os cigarros, ela seguiu para o ponto de ônibus, leve e quase distraída.
Tudo foi despachado lá, não trouxe nada consigo.
No caminho de volta pra casa, ela só pensava em viver essa paixão.
Antes que acabasse dentro dela. Ela chegava até pensar em deixar tudo morrer.
Descendo do ônibus, ela sorriu, de si mesma.
Pensando quando tempo isso iria durar, e quem seria o próximo a ocupar seu lugar.


- Ouvindo: ( The Distillers)


Embriagada.

Me embriago sempre para criar coragem.
Mas a coragem me faz de trouxa e acabo sempre engolindo as palavras.
Elas saem incorretas, meio vulgares, e completamente estúpidas.
Nada do que era preciso falar foi dito, eu fiquei ali bêbada.
Tentando dizer o que meu coração não sentia.
Por que não havia palavras para dizer o que nele se encontrava.

Acabei por engolir tudo, ficando calada e rindo por pura falta de assunto.

- Ouvindo: The Distillers.


Três.


''Ela não queria saber o significado do amor, ou se amar era ser livre.
As vezes estamos presos sem nós dar conta, e isso não era importante.
Não até agora, talvez mais tarde fosse.

Ela não se importa com os significados dessas palavras
Apenas quer sentir-lás, sem nenhuma obrigação de opinião
Enquanto ele lhe mostrava seu ponto de vista, ela nada tinha a dizer
Por que pouco se importa se ele ou os outros compreendem o que ela diz.

Mas o que lhe incomodava não era a conversa, era ele.
Era ele não perceber que ela se importava com o que ele tinha a dizer.
E que ela sentia sim, algo a mais que amizade.
Mas ele não vê isso, ele só quer pensar que o amor liberta as pessoas.
Mas ela não se sente livre.''



- Ouvindo: (Oasis)

Dois.



Cubro-me, mas sou tudo aquilo que se vê a olho nu. O resto é pequeno de mais para me pertencer.
Despejo meus defeitos em tempo real, sem torno- seleiras ou proteção para não me machucar
Tenho uma carga de vida e tenho que gasta-la antes que a morte venha me roubar.


- Ouvindo: (The Distillers)

Constância.


Estou cansada, cansada da agitação, da constância, do medo. 
Tenho desprezo pela presença, gostando muito mais da ausência
Ainda ando tento dificuldades com a sobrevivência, me achando fácil, fraca, covarde até.
Tenho o mesmo nome, a mesma ausência, a mesma dor na coluna, no peito
Perco sempre no mesmo jogo, vivo do mesmo jeito, consumo os mesmo erros
Não larguei o vício, sou ladra, cometo os mesmos crimes
Aquela mesma historia, me apego, pego, desprezo depois
Eu deito, durmo, descanso pensando em outra forma de me cansar.

Um.


As brigas começavam sempre, no final da tarde, na hora do jantar.
Ela tinha tudo o que queria, mas um dia perdeu seu castelo de ouro.
Cresceu, virou mulher, não conseguia andar bem de saltos, nem sabia fazer nada sozinha.
Desacreditou, enxergou o mundo e perdeu sua bondade infantil.
Machucava sempre para se proteger.


- Ouvindo: (Oasis)

*



Ainda espero pelo dia que ela entrara pela aquela porta pedindo-me a minha mão.
Levando os braços, o corpo, a alma e meu coração.

----

 (Peanuts)

Sem titulo e demasiadamente incompleto.

Eles se conheciam a pouco tempo.
Ela era sincera e livre.
Já ele era inteligente e não acreditava no amor.
Um dia ele a encontrou em uma praça, ela estava só.
Ele se aproximou, sentou-se frente a ela, sorriu.
- O que venho fazer aqui a uma hora dessas?
- Sempre venho aqui. Eu gosto de pensar.
Ele não tinha percebido que a praça a noite era linda.
Que se tinha um mundo único e maravilho quando ninguém estava lá.
Ela lhe ofereceu um cigarro, sentou do seu lado encostando-se em uma árvore.
Os dois ficaram em silêncio alguns minutos mastigando a fumaça.
- Não tem medo?
Ele a perguntou, sem pensar muito na pergunta.
- Medo de que ?
- De ficar só a essa hora em uma praça tão escura?
- Não, as vezes tenho medo de estar em uma multidão e todas me olham.
Isso talvez não seja medo, mas eu gosto de não me sentir perdida. Aqui eu sei bem o que sou.
- E o que você é ?
Ela balançou a cabeça, sorriu bem baixo.
- Posso ser o que você quiser, dependendo se você deixar ser o que quero.
A conversa se entendeu por horas, até os cigarros acabarem e chegar a hora dela partir.
Ele passou a semana pensando nela, pensava de pouquinho em pouquinho.
Para não perder cenas, ou palavras que na hora não tinham muita importância.
Ele sabia a onde encontra-lá.
Passou a semana inteira, chegando no dia que ela havia falado sempre estar na praça.
Lá estava ela, sentada no mesmo local, com seu cigarro nos dedos. Sozinha!
Ele se aproximou.
- Olá.
- Eu não te esperava aqui de novo, mas pensei na hipótese e trouxe vinho.
Ela tinha a medida correta para seus sonhos, de meninas ocultas, apaixonantes e doce.
Ele sentou-se, encheu o copo de vinho, pegou um cigarro e a observou.
Depois de muita conversa e de muito vinho, ele a perguntou: - Por que não te achei antes?
- Porque antes eu era nada, e você não gostaria de um nada.
A vida nunca da a mesma volta, ela espera o momento certo, o errado, talvez esse seja o nosso momento.
- Só não me diga se o momento é certo ou errado!
Ela ficou em silencio com um leve sorriso na ponta dos olhos.
Ele não sabia de certo o que sentia, sua intimidade era perdida sempre que a encontrava
Ele sabia o que ela iria dizer antes mesmo da pergunta.
Mas nunca tinha passado a hipótese dele amar, e isso não existia não realmente.
Em uma noite ele a perguntou: - O que é o amor pra você?
- Não sei, talvez seja apenas dividir cigarros em uma noite, embriagados por vinho.
E sentir que o mundo pode estar acabando, mas você continua fumando e rindo para o outro.
Sim talvez isso seja o amor.


- Ouvindo: (Pearl Jam)

Tumulto.

Nunca fui boa em amar. A dor me era mais aceitável.
Por que com ela eu podia ficar só, me acostumar a tudo.
Não ter muito tumulto, muita cobrança.
Mas quando se ama, não se sabe o que vem depois.
A felicidade depende de um outro alguém.
Até o perfume se impregna em você.
Você não se pertence mais, se tornam um só.
E você sempre no fim chora, e fingi não se importar
Não sei fingir, mas também não sei o que é se importar.


- Ouvindo: (Pearl Jam)

E quando se ama ?

E quando se acha um amor, se faz o que com ele?

Limpa-se as lágrimas, enxuga-se a dor?

Fuma-se um cigarro acompanhado?


Bebi-se mais além por estar feliz?

Pra que realmente amamos ?

Não sei o que fazer com o amor, por isso sempre o perco
Em meio a tantas outras duvidas.


- Ouvindo: (Peral Jam)



Fujo.

Só percebo que estou sem amigos, quando chega o mês do meu aniversário.

Quando arrumo a festa e só os poucos chegam, os único que aturam meu mau humor.
Quando tento sair no domingo e ninguém me liga.
Quando não quero beber, quero apenas conversar encostada em algum bar.
Eu sei, sou egoísta, grossa, e pouco sinto.
Mas na verdade eu sinto, mas que qualquer um outro.
A vezes só tenho medo de ser abandonada então fujo e abandono antes.

Percebo que meu medo e viver só, mas o problema que já estou só.


- Ouvindo: (Cazuza)

Mastigando minha solidão

Era noite, peguei um café já frio e fui me sentar na area.
Olhei o céu, olhei as poucas estrelas espalhadas, quase sem vida
A lua era fraca, triste, vazia.

Chorei por diversas vezes, eu estava sem cigarros
Consumia café frio, e sem contar a vazio, a solidão, a perda de amigos
Eu estava só, mais uma vez.
Eu tinha as mãos cheias de vida, mas nada penetrava, nada me habitava

Fui na sala, sem fazer barulho, peguei um maço de cigarros
Voltei para admirar as estrelas, acendi o cigarro e dei um gole no café
Fiquei ali, durante horas com frio, mastigando minha solidão
Me vendo de novo sozinha, a ponto de estragar um pulmão
Eu gosto da solidão, mas o calor as vezes é mais que preciso.

Eu mastigava cada cigarro, como se fosse o último
Mesmo sabendo que ao amanhecer eu iria no bar da esquina comprar mais
Mas o que eu queria não vendia no bar da esquina, nem se vendia.
Aquela noite eu dormi na area.
Acordei e fui no bar da esquina comprar cigarros.


Ouvindo: (HorrorPops)


*

Me falta palavras, você as levou com o meu coração.
Eu nunca fui nada, sempre gostei da solidão.
Me arranjava de qualquer jeito, bebia por direito
Sem companhia ou direção, isso era a verdadeira diversão.


Pense...

Eu sou contra circos, rodeios, zoológicos
Sou contra ao uso de pele, ao uso de testes em animais.
Sou contra ao consumo de carne, de aves, de peixes.
Sou contra a violência, a dor, ao sofrimento.
Sou a favor da vida e de nada mais.

*

-
Eu queria te levar comigo, passar o domingo no quarto.
Poderíamos tirar a roupa, fumar alguns cigarros, me sentir viva ao seu lado.
Você poderia ser o primeiro, o amor, o único, a cura da minha dor.
Mas você preferiu ser só mais um, não quis ficar, nem quis deixar eu lhe acompanhar.

Não se sinta no direito de me amar, mas eu queria que você sentisse algo ao me tocar.
Mas você preferiu ser mais um.
Aquele que ficou no portão me esperando, ficou na sala enquanto eu me trocava.
Perdeu minha mudança, minha agonia, você preferiu ficar na plateia só.
Em vez de vim comigo para o palco, mas agora somos desconhecidos.
Eu sei apenas seu nome, mas quem realmente é você eu não sei.
Agora eu levaria minha presença para bem longe.
Devo pensar em mim, devo carregar meus cigarros, minha bebida para outro canto.
A onde você não esteja, a onde eu me encontre.

Quero que você leve sua dor, depois vá.

 
- Ouvindo: (Oasis)

D.o.r

-



Você me vem calmo, arrogante, ríspido, mas em si frágil.
E eu achei que me levaria tudo.
Eu não lhe impediria.
Eu lhe daria meu coração, lhe daria minha alma.
Mesmo se você quisesse só as mãos eu lhe daria meus braços
Mesmo se o que você quisesse fosse pouco, me bastaria.
Eu te vi, te vi além dos olhos de vidro.
Mesmo você nunca sendo quem é, e eu sendo o que nunca sou.
Parecia-me realmente seguro lhe entregar minha vida em suas mãos
Mas você foi sumindo, foi deixando de existir.
Se tornado verdade, você era de carne e osso.

Era estúpido, só mais um na rua com um maço na mão a sorrir.
Eu lhe daria tudo, mas agora não tenho nada a lhe oferecer.

Não posso entregar minha vida a alguém que não consegui sentir sua própria verdade
Quem dirá sentir a minha.


- Ouvindo: (Nirvana)

Trocas de Cigarros.

Eu não quero um amor.

Só quero alguém para trocas de cigarros, trocas de horários.
De rotinas, de almas.
Só quero alguém que venha sorrindo.
Alguém que chegue a minha casa no domingo com vinho é diversão.

Só quero alguém para dividir meus cigarros, e um pouco da minha solidão.


- Ouvindo: ( Oasis)

*

-


Chegue a minha casa, logo depois do sol.
Me acorde, bagunce minha rotina, me levante logo cedo.
Traga seu cheiro, fique em silêncio para meu corpo se acostumar com sua presença.
Depois se deite e me lembre de nunca te deixar partir.


- Ouvindo: ( Misfits)

Não me roube de mim.




O que viria depois, depois que eu dissesse sim?

Você invadiria a minha vida, se sentiria no direito de me amar.
Mesmo sabendo que seria pouco.
Você iria trazer sossego, acender minha alma.
Cansar-me um pouco, me trazer paz.

Depois invadiria a minha casa
Se apossando dos meus cigarros, da minha cama.
Da minha solidão, da minha liberdade.
Do meu espaço, do meu eu.

No fim, eu seria você, você seria eu.
Eu perderia a minha individualidade
Perderia minha madrugada sozinha com uns quatro maços de cigarro
Tentando ocupar com alguma fumaça o que já estaria ocupado por você.
Você me perderia, apenas por querer me amar de mais.


- Ouvindo: ( Nirvana)

Rompendo.



Parece difícil romper com você, parece-me a mim mesma.

Mas olhe não se sinta no direito de vim me procurar
Não quero uma volta, não quero nada.
Quero apenas acender meu cigarro e deitar-me.

Quero que você vá, sem choros ou promessas de uma volta.

Hoje acordei tranquila, acendi o penúltimo cigarro do maço.
Vi-me parada em frente à rua, olhando para céu, na espera de que ele caísse
De que ele me engolisse e me levasse logo para o possível paraíso
Mas nada aconteceu. Eu tomei meu café, acendi o que seria o último cigarro.
E fiquei ali durante horas imaginando que nunca mais iria te ver isso me alegrava
Motivava-me um pouco mais a ficar ali, parada apenas olhando para o céu.
Imaginado tudo o que ele poderia me oferecer, me imaginado como oferta para algum outro apaixonado.


- Ouvindo: ( Nirvana)

Sem pressa.


Desculpe, pelo meu jeito grosseiro e insensível.

Pela minha falta de amores, pela minha insistência em ficar só.
Mas sinto que tenho amor de mais para desperdiça-lo com o primeiro que me atravessa a rua.


- Ouvindo: ( Bob Dylan)

Ressaca meio moral.


É tão simples, eu não gosto das pessoas e ponto.
Elas são cansativas, enjoadas, fracas, desinteressantes, arrogantes e as vezes muito submissas.
Eu odeio pessoas submissas, apaixonadas, todas elas no fim são estúpidas e devassas
Eu não odeio a raça humana, simplesmente me sinto feliz em gostar de uma pessoa apenas
Não quero mais que uma amizade, não gosto de multidões, orgias, escândalos
Gosto do silêncio, dos meus cigarros, do meu vinho, do meu som. Nada mais me interessa.
Por que todo o resto é explicito e vulgar, as pessoas são vulgares de alma
São manipuladas, são doentes, e não vivem a vida.
É tão simples, eu não gosto das pessoas e ponto. Mas um ponto.

- Ouvindo: ( The Distillers)

Apaga o Cigarro Inconformismo ? IIII


(Leia os Anteriores Também)
 Apaga o Cigarro Inconformismo ? - II - III

A caixa agora permanece instavél, insana e conformada
Ela não prende mais amores, não consome mais dores.
Não se resume em sentir, em permanecer
A caixa não senti nada, permace cansada, parada
Ela me obriga, me consome, me limitada
A caixa não tem mais nome, nem vida.

A caixa que era coração, ficou fria por proteção
Se prendeu, perdeu tudo que havia dentro
Sufocando cada amor, sufocando cada sentimento
Ela remove, excita, não vive, não quer, não fica
A vontade de esquecer a presença faz com que a caixa se perca, enlouqueça
Faz com que a caixa-coração viva em completa solidão.

Mas a caixa faz por merecer, se isola, prefere não viver.
Depois de ter partido a caixa ao meio, foi descido reconstrui-lá
Recomeçar uma nova vida, minha e da caixa vazia
Mas a caixa esta toda destruida, toda partida
Com um cigarro entre os dedos eu tento retomar o sossego
Mas a caixa anda agitada, agora toda reconstruída, ela prefere continuar sozinha
A caixa não é mais tão coração agora ela virou um poço de solidão.

A caixa que era coração ficou fria por proteção
Se tornando vazia, ela acha seguir a vida
Mas a vida não segue, ela sempre retorna ao fim
Caixa filha de uma puta, me joga todas as dores
Me deixando imóvel, e me tornando uma outra caixa
Não se pode confiar na caixa ela não é mais uma aliada
A caixa agora se recupera, agonia, agonia, agonia.

A caixa de nada gosta, em nada quer deixar se ocupar
A mente a obedece, o corpo a respeita, o resto somente suspeita
Mas a caixa comanda, da nome e desmanda
A caixa permanece vazia, mas agora a caixa tem sua própria autonomia.
Tão fria a caixa, tão estúpida, tão egoísta, tão sozinha
Doa a quem doer, a caixa agora só pensa em se alto merecer.
Mas olhe a caixa as vezes é boa, se apega a alguém mas depois se enjoa
Merda de caixa infeliz, não quer mais ser coração, não quer mais ser fraca
A caixa que era coração ficou fria por proteção.


- Ouvindo: ( The Distillers)

Para: Arie Venâ.


Quem é tu menina?

É essa menina que não tem amores sofre de dores, se renega?
Quem é tu?
Que se sustenta em vícios, se cobre por cautela e nunca realmente diz ser o que é?

Menina tão pouca te conhece, mas sabe o bastante para tudo o que quer.
Mas olhe não seja assim tão fria, não maltrate tanto alguns que no meio da noite perdem o encanto, a graça, o sorriso, o castelo branco.

Quem é tu menina, com tantas faces, tantas mentiras, tantas verdades, tantos encontros?
Você sabe me dizer quem é, essa de sorriso aberto, que sabe amar, mas tem medo de tentar?
Menina o amor é preciso, antes mesmo de acabar o vinho, rasgar o tecido e descobrir quem se é, é meio perigoso, às vezes sem gosto, mas é preciso de esforço para conseguir o que se quer.

Quem é tu? Se torna doce, mas perdi o brilho no primeiro erro do individuo que talvez não quisesse te magoar, mas você não perdoa, não tem tempo para se machucar.
Menina é até bonita, meio desinibida, mas menti sempre ao se apresentar, é da forma egoísta, no fundo é tímida, sempre maciça, sem nem ao menos se preocupar, então quem é tu? Tem algo a me acrescentar?
Precisa sempre de codinomes para se alto afirmar?

Menina não se cobre tanto, na vida sempre haverá desencantos, sempre terá aquele que lhe fará chorar, mas não justifica a linha de inimigos que derrama sempre quando vê que vai se machucar, para com essa magoa, não seja tão firme, deixa um pouco o tempo passar.

O que me diz desse livro? Fecha-se nesses poetas, nesse mundo de letras e acha que todos devem também se fechar? A palavra é bonita, a escrita remodela, mas menina enquanto te prende nesses livros lá fora vai passando a vida e nada ira voltar.

Ei! Não quero te julgar, mas observe cadê seus amigos? Quantos iram restar?
Cadê aqueles? Os outros? Aqueles outros de lá?
Observe menina é tão fria que não vê que despeja a todos a cada caminho, despeja sem nem ao menos sentir uma pequena dor no espinha, sem nem ao menos pestanejar.
Quem é tu menina? Tão decidida, mas vive em confusão com seus sentimentos, a ponto de apedreja-los por pura indecisão.

Olhe menina eu sei da tua bondade, dessa felicidade, que só os poucos tu deixa conhecer, esse sorriso de olhos, esse delírio, esse sentimento bom, com gosto de desejar, da malícia boa, da falta de censura, da liberdade, coisa de quem quer amar.

Para que tantos argumentos, precisa sempre lembrar quem realmente é?
Como podem ser tantas em uma só? Como pode tanta loucura em apenas um espaço, tão desocupado?

Menina não se desiluda, é realmente com o tempo que se conhece, as pessoas tem defeitos e preconceitos, qualidades são tão poucas, mas realmente bonitas.
O preconceito é sujeira e me sinto bem de saber que você é limpa de alma, mas isso não quer dizer que vai sempre durar.

Quem é tu menina, que se apaixona ao primeiro olhar, mas depois se cansa dessa vida de se apaixonar?
É digna, não come vacas, frangos, peixes, por amor. Mas de que lhe adianta tanto amor se não o sabe usar?
Quem é tu menina, que se desencanta na primeira fila e sempre descobre que a tantas filas para se encontrar?


- Ouvindo: ( Bob Acri)

Julgar.

Quem realmente são vocês?

Quem são esses que me dizem sobre igualdade, me falam sobre oportunidade?
Quem são esses que me dizem não haver distinção?
Esses são os mesmos que noite passada, me enrolaram numa seda de mentiras e sujas opiniões?
São os mesmos que foram hipócritas, preconceituosos, sem ao menos se permitir conhecer o lado a ser julgado?

Quem são vocês? Seus desgraçados de merda.

 
- Ouvindo: (Cazuza)

20 mil palavras!


Menti 20 mil palavras desperdiçadas.

Recolhe as mentiras com medo de não as achar de novo, as guarda.
Depois, encontra um lugar desconhecido, despeja toda a sua carga.
Vai embora, feliz! De novo, comete o erro de mentir para si.

Mentiu para o amor, para a ausência, para a presença, o ego, o resto. Inferno mentiu para o seu próprio eu. E nunca mais soube o que de fato era verdade.
Acorda sempre atordoada, procurando seus cigarros, se perdendo na sua própria moradia.
No seu eu mais profundo.

Procura pelo caminho algum rastro do que poderia ser na noite seguinte, com medo de imitar a da noite passada. Esconde o quer, para quem quer, manipula, restaura a mentira, rasga a seda, chora de vez em quando, mas sempre retorna e demora a voltar, volta quando chega a sua casa, a luzes se apagam e ela enfim consegue dormir, volta a ser o que ninguém conhece, nem ela consegue deixar.

Menti por que tem medo da vida, do que é, por que acha bonito enganar, precisa.
A mentira cobre às espinhas, os calos, as feridas, mas depois recoloca um tumor no lugar.


- Ouvindo: (Velhas Virgens)

Menina não seja estúpida.


Pare garota, tire essa maquiagem forte dos olhos, limpe-se.

Pare de se esconder, de fingir ser quem não é. Ou o que queria ser.
Mostre-se, voltei a seu lugar, irei te esperar, não sei quanto tempo, mas ficarei um pouco por lá.
Olhe garota quanta basbaquice, seu erro é não saber amar.
Amor não é apenas o dito, é dedo quebrado, é coração fora do lugar.
Não insista, você no fim vai se machucar.
Não seja estúpida, volte para os que te amam, aqueles do lado de cá.

Menina pare de pensar na dor, cubra-se e saia, olhe ao redor, tem um mundo, uma corrida estúpida até o fim, então planeje seus dias até a morte, permita-se.
Liberte-se dessa mania de precisar de tempo, saiba que o tempo não precisa de você.
E quando menos perceber ele terá lhe tirado tudo, não seja covarde.
Tem medo de ser feliz, não é? Tem medo de se acostumar, medo de perder, perca-se, embriague-se, morra todo dia e nasça a cada noite, ou viva, mas garota viva.
Não me entenda mal, mas isso que te cobre não lhe servirá de nada, garota quando a dor aperta você corre e bate o meu portão, eu te seguro, te acolho, sou amigo.

Mas menina a decisão e sua, mas se resolva não ficarei muito tempo a lhe esperar.
Sairei e depois não irei voltar.


- Ouvindo: ( Cazuza)

Ariela Venâncio. Tecnologia do Blogger.

Agora, Aqui !

--------------

"Publicar um texto é um jeito educado de dizer “me empresta seu peito porque a dor não está cabendo só no meu.”

(Tati Bernardi)



De encontro.

Os Viciosos do Circulo.

- Siga-me por email