O indispensável.


Sacode bem a sacola, olhe bem no fundo, ainda poderá restar amor.
Tire os utensílios pouco importantes, como coisas desinteressantes.
Guarde apenas o indispensável, não tudo, para sobrar espaço.
Olhe! veja se não esqueceu nada.
Guarde agora um amor, tente, pelo menos uma vez.
O coloque na parte a onde tenha ziper, para não perdê-lo como tantos outros.
Não mecha muito, deixe o habitar, ficar mais um pouco.
Nada de colocar os cigarros ou as balinhas de iogurte do lado.
Concentre-se apenas em levar consigo algo preciso.


- Ouvindo: (Radiohead)

Deixe-me.

Olhe garota, não se importe tanto, nem cuide de mim.
Deixe-me desfalecer sozinha, não segure minha mão.
Nem corra quando me ver partir, garota se afaste.
O melhor é o fim, não se aproxime, diga apenas um leve oi.
Depois vá para longe, aperte bem os cintos e tente não olhar pra trás.
Olhe garota não valera a pena, não será importante.
Tão pouco te fará pensar em saudades, essa falta de instantes.
Desculpe garota, mas ninguém gosta de se prender.
Não é diferente comigo e com você.
Observe o quanto tenho mudado, o quanto temos fugido.
Algo esta errado, algo parece falso de mais.
Pare garota, pare de achar que me entendi, para de pensar que sou dependente.
Não me confunda com qualquer apaixonado, isso não parece ser algo simples e fácil.
Olhe garota é bom estar ao seu lado, e bom te ver sorrir.
Mas tudo isso me parece pouco, pouco a ponto de quase não existir.
Não acredite tanto no que digo, posso te mandar ir embora querendo que fique.
Posso te pedir pra ficar querendo te ver partindo.
Mesmo sem querer você acabara partindo e eu sinto lhe dizer que isso não me fará mal.
Não a ponto de pedir que fique.


- Ouvindo: (The Distillers)

Rascunho salvo.

Eu só conheço o não me conhecer
Por que é engraçado como a verdade pode nos esconder
Automaticamente eu sei que a mentira é a melhor saída
Aqui, agora, depois, pra sempre.



- Ouvindo: (Cazuza.)

Mais um Cretino.

Autonomia filha de uma puta organizada.

Rapaz de óculos escuros, cabelo curto, tatuado, bem informal.
Se acha no direito de me jogar na cara sobre a minha opção sexual.
Esta tudo errado meu camarada, seus óculos escuros não vão te esconder
Você vai ter que se mostrar e começar a viver.
Aprendendo que Papai Noel não existe e que Carlos Drummond ainda vive
Caro rapaz sua panca de garoto doido não me convence, tão pouco me intimida.
Mais um idiota machista!
Pra estufar o peito, sacana se acha o tal.

O que adianta meu caro, vim tentar me convencer, gritando, tremendo quase se borrando
De que a culpa é minha por querer me resolver, eu sou gay não você.
Até na merda do ponto de ónibus eu tenho que aguentar um machista com engano querendo me amedrontador.
Caro rapaz isso não vai adiantar
Mas você veio de graça pro meu dia alegrar
Vestido de palhaço em carro particular, engraçado metido a racionais
Eu apenas achei graça do ridículo que você faz
Do que adianta ter panca de alternativo se no final você é só mais um cretino.


- Ouvindo: cassia eller.

(Devo ter escrito isso em 2010)

24.


Desculpe se perdi os bons modos e não posso arrotar
Se minha calça é rasgada e não tenho motorista particular
Se não sei fazer café ou até mesmo dirigir.
Sou de poucos costumes um deles é ser feliz.

23.

Não se trata o amor como um papel molhado, que fica duro a medida que seca.

Tende-se cuidar para que as bordas não rasguem, sangrem.
É macio, de duas fases e se pode escrever uma vida sem que se arranhem.

Rascunho salvo em uma quinta a noite.

Você pode ficar, sentar um pouco, bagunçar meu cabelo.
Pode me fazer rir, me fazer chorar, me trazer paz, raiva.
Pode se deitar, invadir a minha casa, invadir a minha vida.
Pode levar tudo o que é meu, menos o meu coração.

Eu não lhe culpo.

Você me carregou durante toda a minha vida, mas depois quando se sentiu cansado me jogou no chão, sem medo de me machucar, e a queda foi dura, eu tive que aprender a me virar sozinha. Aprender a encontrar um rumo e uma direção. Fiz todas as minhas rotinas ligadas ao o que você acharia disso. Mas você como sempre se da ao direito de mal me responder, de mal dizer bom dia. Parece até que isso é premeditado.

Eu calculo, resolvo todos os problemas, mas você continua longe, continua agindo como se nada da minha vida lhe interessasse, talvez não importe, mas é sua obrigação me fazer feliz. Devíamos ter parado de inventar historias bonitas, de querer viver como pessoas adequadas e normais. Eu me lembro de quando você ia ao meu quarto pra ver se eu estava dormindo, mesmo se eu não estivesse eu fingia estar, não porque eu queria que você fosse logo embora, mas porque você vinha e cuidava do meu sono.

Eu não gostava daquelas viagens, mas sinto falta de ver você sorrir, de ver você correr e me abraçar, me tratando como uma criança, como a sua criança, desculpe mas é isso que eu deva ser. Você fugiu de todas as suas obrigações, fugiu da responsabilidade de me proteger, você fugiu desse convívio. E eu estou perdida.

Eu estou aqui, do mesmo lado, mas as opiniões são tão diferentes, são tão fortes, que você continuara longe, mesmo estando aqui desse lado também. Eu me lembro de quando você se importava com as minhas decisões, me lembro da sua insistência, me colocando em uma escola de música, me levava todos os dias, era tudo muito confuso, eu gostava daquilo tudo porque você se alegrava em me ver gostar. Me esperava todos os dias no carro, feliz, me perguntando como havia sido, o que eu havia aprendido. Você brilhava, sorria e me levava pra casa.

Eu não sinto falta das suas insistências, nem das mentiras que eu sempre aceitava, sinto falta de você. Talvez a vida esteja pesada de mais, os dias terriveis de mais, para você se importar comigo. E enquanto isso, os dias vão passando, as mentiras aumentam, as desculpas se tornam mais precisas. Eu sempre senti obrigação nesse nosso convívio, nessas nossas poucas horas em harmonia. Esses domingos agitados, no qual você só esta satisfeito até beber o ultimo copo, não lhe culpo por jogar todas as suas dores contra a garganta, na verdade eu não lhe culpo por nada. Não existe culpado nessa carga, apenas vitimas.


- Ovindo: (Radiohead)

Coloquei doce em cada magoa.

Eu acreditei ser forte esse vento que me bateu a alma.
Aliviava-me sempre quando eu via você chegar.
De longe eu sabia que a noite estaria enfim iluminada.
Eu inventei esse amor, coloquei doce em cada magoa.
Eu menti para mim mesma achando assim encontrar a felicidade.
Construí toda a nossa história em cima de suposições
Que foram se perdendo com o passar da vida, com o passar das verdades.
Eu nunca menti para você, eu mentia para mim mesma.
Por isso não havia lágrimas, nem despedidas.
No dia que você partiu eu chorei, chorei até secar.
Mas a dor não sumia ela estava lá presente.
Ela estava lá transformando tudo que eu criei em castigo
Mas eu não sei com o que ela tenta me castigar
Se minha maior fraqueza foi embora sem previsão de voltar.

Gosta do fim.

Você deveria apenas se afastar, sem explicações, ou conversas.

Mas não você se vê no direito de dar algum ponto de consideração.
E quando vê tudo esta escorrendo por suas mãos.
Mas isso não lhe parece ruim, porque gosta do que vê.
Gosta do fim.


- Ouvindo: (Nirvana)

Ultrapassava as luzes

Alguém já sentiu que encontrou alguém que imaginava não existir ?
E de propósito deixou escapar uma pontada imensa de paixão
Que chegava a ultrapassava as luzes, o brilho das estrelas, até mesmo todo aquele caos.
Você tentava fugir, fumar mais alguns cigarros, beber um pouco mais.
Mas ela continuava a mesma, a mesma do começo da noite, a mesma no fim da noite.
Só podia estar sendo sincera, eu estava.
Mas encontrar pessoas sinceras é tão complicado.
Eu acho que encontrei, mas não sei o que fazer.
Dessa vez não tenho controle de nada, nem de mim.
Sim! isso é bom.

- Ouvindo: (Pearl Jam)

Não quero reciclar pessoas.

Você sabe eu gosto das pessoas, eu sinto, sinto tanto que às vezes chega a sufocar, mas eu preciso estar sempre mostrando que tenho algo batendo aqui dentro? Preciso sempre mentir para agradar alguém? Eu preciso da verdade, preciso tanto dela, que ando surtando, ando achando normal perder pessoas que me devolvem embalagens descartáveis como pedido de desculpa, na arrograncia da mentira, eu não quero reciclar pessoas, eu não quero corações de vidro, pessoas descartáveis, não consigo penetrar nesse convívio banal que as pessoas chamam de amizade, eu quero algo mais sincero, consegue entender? Quero fugir daqui, largar esse trabalho, subir no ônibus e não sentir a falta de ninguém, eu quero isso, se você soubesse como ando pesando nisso, minha vida esta evaporando pelos tubos de ventilação, meu limite é a próxima esquina, depois de lá não serei mais a mesma, isso me afeta, no momento tudo me afeta até um café frio.


- Ouvindo: (Pearl Jam)

As vezes eu sinto que a desistência corta-me os pulsos.

Render-se, entregar-se, deixar-se. Enfraquecer sem uma tentativa. Enfraquecer por pouca tentativa.
Renunciar; Abster-se; Abandonar; Deixar; não continuar seja com amores, paixões, consigo mesmo, com o mundo, sonhos, desejos, presenças, vícios, medos.
Parar, esquecer, evitar.

Não insistir, chegar ao fim. Desistir.

Isso não te parece algo triste ? Deseja Desistir ?

Post para Cantos e Encantos.


- Ouvindo: (Pearl Jam)

Seis.

Quando você não tem amor tudo parece mais difícil.
Até a dor não se tem com quem dividir.
Até seus cigarros sobram e falta sempre alguém para conversar no domingo.

Todos estavam ali, andando por sua vida.

Eram tantas perdas, mas todos estavam ali, andando por sua vida.

Ela chorou, e suas lágrimas saiam rasgando como se quisessem parar por ali.
Mas seu corpo rejeitava qualquer tipo de volta, ele estava pronto para descarregar toda aquela dor.
Ela não tinha alternativa devia esvaziar todo aquele remorso.
Voltou para o seu quarto, acendeu mais um cigarro.
Permaneceu em silêncio, apenas sentido o quente das lágrimas que não paravam de rolar.
Ela se sentia uma estúpida, mas ela era uma estúpida.
Não tinha mais a habilidade de permanecer tanto tempo lúcida.
Precisava de um pouco de descanso, precisava fugir um pouco de si.

Quero mais chuva

A vida me derruba, sempre.
Me joga no chão e todos passam por cima de mim.
E ninguém se arrepende, ninguém me oferece um abrigo, uma mão.
Nem desculpas, ou pedidos de reconciliação.
Todos seguem sua vida. E eu devo fazer o mesmo.
Devo pegar minha mochila azul e seguir rumo ao encontro de mim mesma.
Não mereço ser sempre a que se machuca.
Não mereço ser a única que sente, toda essa dor.
Eu mereço mais chuva, mas presença, mais café, mais você.
Mas você não me merece.


- Ouvindo: (Matanza)

Sem formulas.


Queria muito aprender sobre o amor.
Queria ser capaz de senti-lo, sem formulas ou decisões.
A vida esta passando, e no momento só tenho um pulmão meio estragado.
O resto é leve e vazio. Eu queria estar cheia.
Mas não encontro nenhum poço para engolir alguma fonte.
Não encontro nenhum meio de reviver meu coração.


- Ouvindo: (Incubus)

Ariela Venâncio. Tecnologia do Blogger.

Agora, Aqui !

--------------

"Publicar um texto é um jeito educado de dizer “me empresta seu peito porque a dor não está cabendo só no meu.”

(Tati Bernardi)



De encontro.

Os Viciosos do Circulo.

- Siga-me por email