Troca com até 30 dias.

Não pretendo lhe contar sobre minhas lutas diárias, eu exponho meus sentimentos como roupas numa vitrine, eu estou cansada de me promover atoa, ninguém está disposto a pagar o preço de me ter por completo, esquecem-se da etiqueta, já querem me devolver no primeiro defeito, e ainda voltam com direito a trocas, cansada de me vender para o mundo sem conhecer realmente o comprador.

Hoje não estou aqui tentando lhe mostrar minhas tripas, coração e querer que as compre como uma carne fresca na feira. Não vou dissertar sobre as minhas fraquezas, minhas crises, e me boicotar como costumo fazer, pelo menos não hoje, deixo para o próximo mês uma liquidação ou um leilão de quem dá mais pelo meu coração.

Cansei de me entregar ao tudo e ficar com nada, de ser luz e brilho e depois me tornar uma decepção. No começo tão espontâneo, tão interessante, quase não me perco com as palavras e com o tempo vou virando indecisão, desespero, a ponto do desequilíbrio da falta de alto controle, eu não preciso te presentear com as minhas incertezas, nem com a minha tristeza constante. Você não precisa saber do meu choro, nem das minhas despedidas, dos bilhetes que espalhei pelo quarto, os preguei na geladeira, na porta, aqueles avisos "para não esquecer, de que não posso lembrar-me de você", "para não esquecer de que por hoje não te envio mensagens, nem te ligo", "para não se esquecer de mim". Meu coração não está a venda. Cansei de estar em promoção, cansei de ter certeza de tudo e no segundo seguinte não ter certeza de nada.


Talvez se tivesse me dito algo há uma hora. Se tivesse chegado mais cedo, me telefonado. Estou cansada de estar à venda em troca de carinhos diários. Encaram-me, criam ilusões, me experimentam, os olhos brilham. “Talvez deva dar uma ajustada aqui”, “mudar um pouco a cor”, diminuir os excessos”, "não serviu, não gostei, não quero", cansei de esperar alguém que me leve sem ajustes, sem mudanças, que goste do que vê, sem devolução, sem querer costurar meus defeitos.

(Ouvindo: The Distillers)

0 Rabiscos de Outros:

Postar um comentário

Ariela Venâncio. Tecnologia do Blogger.

Agora, Aqui !

--------------

"Publicar um texto é um jeito educado de dizer “me empresta seu peito porque a dor não está cabendo só no meu.”

(Tati Bernardi)



De encontro.

Os Viciosos do Circulo.

- Siga-me por email